Crítica: G.I. Joe : Retaliação – Ninjas, Cobra e Joes


gi joe retaliac3a7c3a3o poster - Crítica: G.I. Joe : Retaliação – Ninjas, Cobra e Joes

Por: Patrick Duarte

Quem tem a idade um pouquinho superior vai lembrar dos bonecos “Comandos em Ação” que deram origem ao filme G.I. Joe : A origem do Cobra, que nesta sexta passada ganhou sua sequência mais que merecida, G.I. Joe : Retaliação.

Apesar da sequência ser merecida para a produção, o primeiro filme não foi lá essas coisas, abusando de efeitos visuais fracos – horríveis – e um humor desnecessário e exaustivo durante as cenas de ação. Em G.I. Joe : Retaliação, segue como sequência dos fatos ocorridos no primeiro filme – que não é surpresa para ninguém – onde a organização Cobra colocou na Casa Branca um impostor no lugar do Presidente dos Estados Unidos. Na nova trama o combate entre as organizações “Joes” e “Cobra” continua e são apresentados novos personagens como o “mostro” Roadblock (Dwayne “The Rock” Johnson), pela linda Lady Jaye (Adrianne Palicki) e pelo “sem graça” Flint (D. J. Cotrona), todos sob o comando de Duke (Channing Tatum). Já nos primeiros minutos temos um ataque surpresa a toda tropa dos Joes aniquilando quase todos, deixando apenas vivos Roadblock, Lady Jaye e Flint – isso mesmo meu caro, Duke R.I.P – que começam a investigar os motivos do ataque chegando a conclusão que o único que poderia ter permitido tal ameaça seria o próprio Presidente dos EUA. Paralelo a isso, temos a historia – que parece ser uma trama dentro da trama – de Snake Eyes (Ray Park) em busca do seu “irmão de mestre” Storm Shadow (Lee Byung-hun) para levá-lo a justiça pelo crime cometido quando criança. Após resolver e definir todas as relações entre os personagens base, temos finalmente a aparição do Comandante Cobra e a preparação do seu plano para dominação do mundo. Com uma máscara que cobre totalmente o rosto – possivelmente para encobrir que Joseph Gordon-Levitt não retornou ao papel – o líder dos vilões vai comandando sempre de longe as operações até ficar frente a frente com os comandantes de cada País incitando assim o duelo final no filme.

G.I Joe : Retaliação parece que aprendeu com os erros do seu antecessor. Deixou de lado todo aquele mecanismo super evoluído (armaduras) e apresentou algo mais real – não que seja real – como armas e até um carro-tanque. Ponto positivo também para a diminuição de personagens centrais dando o devido espaço para trabalhar as relações pessoais e interpessoais. Outro destaque – que me surpreendeu muito – foi a direção que estava nas mãos de John M. Chu – conhecido pelos trabalhos em Ela Dança, Eu Danço 2 e 3 – foi sensacional nas sequências de ação e nas coreografias de luta. Destaque para o combate ninja nas montanhas que ficou muito bom. Ainda no meio dos destaques temos a revira volta ninja do filme – mas não vou contar, você terá que assistir.

g i joe retaliac3a7c3a3o 1 - Crítica: G.I. Joe : Retaliação – Ninjas, Cobra e Joes

Em meio a tantos destaques, temos também algumas coisas que não foram “tão destacadas assim”. Em meio ao caos e sem poder confiar em ninguém os Joes buscam auxilio de um veterano, o General Joseph “Joe” Colton (Bruce Willis) que sinceramente não agrega nada no filme, além do seu nome e muita gente esperando ver muita porrada por parte dele. Apesar do tamanho dos bombados do filme, do nome dos atores, não espere muitas lutas que não sejam ninjas, você verá mais explosões e tiros, afinal de contas é um filme de ação e não de luta.

Não poderia deixar de citar as filmagens e sequências de fotografias que no geral foram bons, “closes” em momentos certos, e cenários bem construídos. Mesmo não tendo assistido o filme em 3D fica claro quais as cenas foram usadas para isso, e posso dizer que não perderá nada se deixar de ver em 3D também. O roteiro aproveitou muita as informações do filme anterior e até ampliou isso dando um novo rumo a algumas verdades que tínhamos, mas mesmo assim em muitos pontos você se sentirá perdido, jogado ao ar, com tanta coisa sendo explicada em relação ao primeiro. Se você espera um filme para se divertir e vibrar com explosões, esse tem na medida. Uma coisa é certa, o final do filme é bem coisa de desenho animado, onde sempre sabemos que o amanhã virá com um novo episodio.

balc3a3o bom - Crítica: G.I. Joe : Retaliação – Ninjas, Cobra e Joes

Veja Também  Castelo Rá-Tim-Bum: A Exposição - Confira nossa visita ao fantástico mundo de Nino

Deixe uma resposta