Religião no Estado Laico e Política na Infidelidade Cristã


Por: Patrick Duarte

Chegamos em 2014! Passamos por vários momentos marcantes esse ano. Movimento Passe Livre e a Copa do Mundo são os que podemos pontuar com a clara certeza de que marcaram o país. Mas esse ano não se limita a isso e agora, no mês de Outubro, chega a hora que pode definir o rumo do nosso governo, mesmo que seja para pior. Eleições 2014.

Antes de falarmos sobre a situação vergonhosa Politica x Religião x Estado Laico x Infidelidade Cristã que vivemos hoje, precisamos entender alguns pontos fundamentais que envolvem a politica e seu sistema.

Você já ouviu falar na Cosmovisão?

A cosmovisão, em suma, é uma “estrutura interpretativa”.  Poderíamos definir como um par de lentes por meio das quais vemos todas as coisas. Todo e qualquer conjunto de idéias, crenças, valores e ideologias que caracterizam e formam a sua visão e opinião sobre o mundo e tudo que existe nele e também sobre Deus, se referem à cosmovisão.  Sendo assim, a cosmovisão atinge todas as áreas e disciplinas presentes em nossa vida, como Filosofia, Ética, Sociologia, Política, História, Teologia, entre outras.

cosmovisc3a3o - Religião no Estado Laico e Política na Infidelidade Cristã

Percebam então que, todas as pessoas possuem uma cosmovisão. É claro que essa é uma pequena parcela do tema, mas que pode ser facilmente encontrado na internet.

Mas qual a importância disso para o Cristão? Bom, pelo simples fato de sermos cristãos, já possuímos a Cosmovisão Cristã e a necessidade de conhecermos outras vertentes da cosmovisão é para que, simplesmente, levemos a Palavra de Deus a outras culturas e povos. (Mt. 28:19-20)

Se nós, como cristãos, temos a missão de levar a Palavra de Deus a todos os povos, como poderíamos fazer isso, desrespeitando suas culturas e valores, nós colocando em um patamar acima do deles. Humildade e respeito devem vir em primeiro lugar ao se relacionar com outras pessoas.

Uma frase bem conhecida e utilizada é a famosa “política e religião não se discutem”. Mas se não se discutem, então por que se misturam? Por mais que alguns não gostem de afirmar, os conceitos morais e éticos foram de alguma forma, a base para a estrutura da política como conhecemos hoje. No século XIV, o inglês John Wycliffe (considerado como precursor da Reforma Protestante), levantou diversas questões sobre controvérsias que envolviam o Cristianismo, mais precisamente a Igreja Católica Romana.  O que  Wycliffe queria é que a igreja voltasse ao modelo da primitiva pobreza dos tempos dos evangelistas, algo que, na sua visão, era incompatível com o poder político do papa e dos cardeais, e que o poder da Igreja devia ser limitado às questões espirituais, sendo o poder político exercido pelo Estado, na época, representado pelo rei.

Se você observar isso, verá que nosso sistema politico hoje é exatamente o resultado disso. Não estou dizendo que os cristãos foram os que criaram isso, mas digo que suas ações, em conjunto com outras durante os anos, formaram o nosso modelo político, a “Laicidade”.

Laico vem da etimológica no grego “laikós” que significa “do povo” e também é a forma erudita de “leigo”.  Diferente do que alguns acham o Estado Laico não é contra nenhuma religião, ao contrário, ele garante que todas elas tenham liberdade para atuar com suas crenças. No Estado Laico não existe o governo religioso e nem a igreja estatal. Percebam que, a igreja e o estado não se misturam, mas a religião e política sim.

O que tem acontecido ultimamente, e muito, é a guerra contra a bancada evangélica. Muitos criticam e apoiam que o religioso não possa ter participação na política, mas isso nada mais é do que impedir o direito civil do ser humano de se envolver com a política. Se a cosmovisão é a maneira como eu vejo o mundo, ela forma a minha ideia política e consecutivamente irei utilizá-la como ferramenta para lutar pelo que acredito, quando encontramos pessoas contra o envolvimento religioso, eles estão dizendo que todas as culturas, experiências, vivências (cosmovisão) são aceitas na política, desde que não seja a cosmovisão cristã. Percebem como isso acaba ferindo a laicidade do estado.

Bom, mas a partir de que ponto a religiosidade do indivíduo começa a ferir a laicidade do estado? Como deve ser a relação do cristão com a política?

politica e religiao - Religião no Estado Laico e Política na Infidelidade Cristã

A primeira coisa que deveria (mas não é) ser clara na cabeça do nosso povo, o cristão, é que tudo é segundo a Vontade de Deus. É Yahweh que estabelece o governante e o faz da maneira que quer e dá a quem Ele quer (Daniel 2:21; Daniel 4:17). Quando entendemos essa vertente, percebemos que a política é uma das infinitas ferramentas que o Senhor utiliza para cumprir seus planos. Mesmo que o poder político hoje esteja dominado pela perversidade do ser humano, ainda é plano de Deus o utilizar para fazer algo bom.

E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Romanos 8:28

Em seguida disso, temos que saber que o governo não tem poder para salvar ninguém. Não importa quem entre lá, pastor ou não, quem pode fazer algo por nós e pela humanidade é Deus. Então se você pensa em votar em alguém só porque ele é crente, cara, você está muito errado!

As autoridades são instituídas por Deus e merecem todo o nosso respeito. Até mesmo Paulo diz que o governo é responsável por exercer autoridade sobre nós (Romanos 13:1-8). Entenda que não é missão do cristão se envolver no ativismo político e assuntos governamentais. A bíblia ensina uma mudança de valores na humanidade pelo conhecer da Palavra de Deus e não pela política.

Quão bom seria se os cristãos não se envolvessem na política, mas entendo que é necessário alguns de nós lá dentro para lutar pelo nosso direito de atuar como cristãos. Mas isso não significa que temos que lutar para excluir direito dos outros. Um político sério utilizaria da nossa Constituição para dar apoio a suas ideias e projetos, mas o que mais vemos hoje são promessas sem fundamentos e vazias, somente para atrair votos de certa classe. Quando o político cristão acha, de alguma forma, que o envolvimento com a política pode disseminar a Palavra de Deus e fazer com que o ministério do Senhor cresça, ele já corrompeu a missão da igreja. Não adianta impor a Lei das Escrituras de Deus em leis humanas, isso nunca vai dar certo. É ridículo!!!

Quem convence o homem do pecado é o Espirito Santo e somente ele pode alcançar isso. Querer empurrar a bíblia “goela abaixo” nas pessoas só vai trazer mais repulsa contra os evangélicos. E se você não percebeu isso ainda, é por que deve estar ocupado demais escutando os “gospels” e “os que te representam”.

Não existe problema algum em um evangélico se tornar político, o problema está quando ele esquece quem é o tesouro do coração dele. A igreja hoje está dominada por pessoas que não se preocupam com as “ovelhas” e transformam os púlpitos em verdadeiros palanques para promover seus candidatos. O mais incrível é ver que o apoio da igreja geralmente é para pessoas despreparadas para tal cargo, iniciantes, ou simplesmente pessoas que não tem ou não falam sobre seus projetos e planos, caso eleito. Não existem apenas evangélicos no Brasil, temos todo o tipo de cultura e classe social que precisam de respeito e atenção, seja ele acreditando em Deus ou não, a atenção deve ser a mesma.

Se você teve a coragem de parar só um pouquinho para ver debates e entrevistas, percebeu o quão ridículos são os candidatos à presidência do país, incluindo o Pastor Everaldo, um dos piores. Muitos dizem que vão votar na Marina por que ela é crente. É sério isso? Você conhece a pauta dela, projetos, planos? E se ela não tiver nada? Vai votar mesmo assim?

O que você deve observar são as ideias do candidato para o país, se bate com as suas ideias, se você se identifica. É no mínimo “idiota” votar em alguém só por que se declara da mesma religião que a sua ou porque seu pastor pediu apoio. Se o candidato tiver um plano de governo bom, ideias legais e consiga demonstrar clareza e firmeza nos debates, ele pode ser Ateu, que eu como cristão, dou meu voto a ele.

Infelizmente, a igreja (templo) está sendo usada como ferramenta para angariar votos aos candidatos e “status” aos que permitem essa atitude, entre eles pastores, vice pastores e até lideres presidentes. O interessante é que esses candidatos sobem e ficam no púlpito da igreja, e nem sabemos como está à vida deles lá fora. É um desrespeito com Deus e com os membros da igreja. Respeitar a autoridade é uma coisa, dar favoritismo, esperando benefício, é outra totalmente diferente. Quantas vezes vemos candidatos que vão a sua igreja, tem seu espaço para falar (no meio do culto, quebrando qualquer ligação entre o céu e a igreja), pedem votos, e quando eleitos, nunca mais voltam, nem para agradecer ou conhecer mais sobre a sua comunidade. Aliás, eles voltam sim, na próxima campanha eleitoral.

Os líderes das igrejas de hoje estão vivendo, de forma comparativa, como a nação de Israel nos tempos do profeta Oséias. De forma bem clara, a prostituição (figurativa) está tomando conta e estamos trocando a Palavra de Deus por palavra de homens. Deus está sendo deixando de lado, ou melhor, no Backstage da igreja. Não há mais respeito pela obra do Senhor e qualquer movimento que possa aumentar a “visibilidade” é acolhido com grande alegria. Eles tentam induzir nossos votos, colocam medo, dizem que só vamos melhorar com tal candidato, não respeitam sua opinião, ou acham que você não tem uma. Eu acredito que é a segunda opção.

politica e a igreja prostituic3a7c3a3o - Religião no Estado Laico e Política na Infidelidade Cristã

Quer saber mesmo se o candidato é bom? Ao invés de dar uns minutos durante o culto, para o “showzinho” pessoal, marque um dia que ele possa vir (sem ser dia de culto) para responder as perguntas do eleitorado e falar de sua campanha e projetos. Essa sim é a prova de fogo para eles!

Não se permita enganar e não se envolva na infidelidade desse povo que se diz “povo de Deus”. Não seja estúpido! Somente Deus pode fazer algo para mudar toda a situação do país e nos somos meras ferramentas num plano gigantesco que ele possui. Entenda que Deus não é negociável. Ele é o único que deve ser o centro das atenções no culto. Repito que devemos respeitar as autoridades (Romanos 13:1-8), mas somente a Deus devemos fidelidade.

Não troque sua salvação, por um dinheiro na mão!

Veja Também  Crítica: Deus não está morto (God’s Not Dead)

Um comentário

  1. benção Patrick , gostei muito está bem elaborado nos faz pensar como um todo, a nação é feita por pessoas de diferentes visões! se apoiarmos o politico para cobrar dele depois caminharia bem melhor as coisas

Deixe uma resposta