Crítica: Êxodo: Deuses e Reis – “Os que lutam com Deus”


Por: Patrick Duarte

Sendo cristão ou não, acreditando nos textos sagrados ou não, é indiscutível que as histórias contidas na bíblia são maravilhosas e cheias de potencial para se tornar um filme. Muitas produções já foram realizadas baseadas em textos bíblicos e o caso mais recente foi o péssimo “Noé” de Darren Aronofsky. Nesse último final de semana estreou o filme Êxodo: Deuses e Reis (Exodus: Gods and Kings) do grande diretor Ridley Scott, que tem no seu curriculum filmes como “Alien, o Oitavo Passageiro” e “Gladiador“.

exodo poster - Crítica: Êxodo: Deuses e Reis – “Os que lutam com Deus”

O filme se utiliza da premissa encontrada no livro de Êxodo e conta a trajetória de Moisés (Christian Bale), um homem já em idade adulta que atua como um grande poderoso nas terras do Egito, ao lado de seu irmão de criação e filho do Faraó, Ramsés (Joel Edgerton). A relação dos dois é pouco explorada, mas deixa pontas para que o espectador entenda que existe uma cumplicidade entre eles, e até mesmo um pouco de inveja de Ramsés à Moisés. Apesar do filme ter o título e uma ideia original baseados na Bíblia, Êxodo não é necessariamente um filme bíblico.

Após um incidente contra um egípcio, Moisés é exilado do Egito e passa a viver durante longos anos fora da visão de Ramsés, agora o novo Faraó. Após um grande período longe de tudo que tinha conhecido, Moisés finalmente tem seu encontro com o Deus de seu povo e de sua esposa. No filme, Scott manifesta a presença de Deus em forma de criança que se apresenta a Moisés indicando a sua missão. Moisés acaba aceitando esse chamado e volta para o Egito exigir à Faraó que liberte os Hebreus, escravizados a 400 anos.

exodo moises ramses - Crítica: Êxodo: Deuses e Reis – “Os que lutam com Deus”

A mão de Ridley Scott com certeza foi o diferencial para fazer o filme dar certo. Mesmo com algumas mudanças na trajetória da história original da bíblia, os acontecimentos ocorrem de forma linear e não perdem seu estado de “milagres” ou “maldições”. Como por exemplo as pragas lançadas no povo do Egito, que na grande maioria, acontecem de forma mais natural, sem perder o “toque de Deus”. Outro ponto interessante foi a caracterização de Deus em forma de menino, que de uma forma bem “linear” se mostrava doce pela aparência de criança, e furioso pela situação que o seu povo escolhido se encontrava. Outra relação bem desenvolvida foi o relacionamento de Moisés com Deus. De forma bem simples, foi dado um toque de humanidade na relação, ou seja, de como um humano falaria com Deus que acabara de conhecer. Em vários momentos fica claro que Moisés não concorda com as ações de Deus, dá mesma forma que Deus não gosta de como Moisés que levar a situação, mas Moisés acaba se rendendo a Deus por intermédio da Fé.

Ridley Scott, na minha sincera opinião, é um gênio. A construção da cidade, a iluminação e fotografia do filme ficaram espetaculares. Os efeitos especiais foram muito bem utilizados e não ficaram com aquela aparência de estruturas falsas. A utilização de locações reais dão a cartada final para a beleza cenográfica do filme.

Além do foco espiritual que o filme possui, temos um grande senso de política existente, com tratados e acordos entre os reis e irmãos. Moisés, nessa releitura, é um exímio líder e soldado de guerra, além de ser um ótimo comunicador, diferente do original bíblico. A impressão dada é que Moisés é aquele revolucionário que treina seu exército para o confronto final. Bale fez seu papel maravilhosamente e deu a Moisés a cara que ele precisava para esse filme em questão. Não era aquele homem com aparência doce, mas sempre estava com uma aparência mais militarizada.

exodo moises - Crítica: Êxodo: Deuses e Reis – “Os que lutam com Deus”

Apesar do filme não possuir 100% de fidelidade as Escrituras Sagradas, os acontecimentos narrados não fazem com que Deus seja diminuído, já que na grande maioria os milagres ocorrem devido a Ele. Eu como cristão não me senti ofendido pelo filme, afinal de contas já fui sabendo que o filme não se tratava de uma adaptação bíblica e sim de uma produção com a premissa de uma história bíblica.

Êxodo: Deuses e Reis é mais um épico nas mãos de Ridley Scott e cumpre o que promete, sendo uma ótima pedida e opção para adicionar a sua videoteca, mas ainda assim, não chega a ser um grande marco na história de filmes do gênero.

balc3a3o bom - Crítica: Êxodo: Deuses e Reis – “Os que lutam com Deus”

Veja Também  O "Crente" e a necessidade de defesa do mercado Gospel

Deixe uma resposta