fbpx
Deus-nao-usa-atalhos
Artigos Gospel,  Gospel

Deus não trabalha com atalhos

Sem atalhos – José: de escravo a governador do Egito

A bíblia possui diversos relatos de pessoas que precisaram seguir difíceis caminhos, sem atalhos, para chegar ao objetivo que Deus havia estabelecido, e esses exemplos nos dão força e nos ensinam sobre o amor de Deus. Um desses relatos é de José, filho de Jacó. Em Gênesis 37 inicia-se a trajetória do servo que caminharia de escravo até o cargo de governador do Egito.

De inicio fica claro que José, na época com 17 anos, era o filho predileto de Jacó, pois o mesmo havia nascido já em sua velhice (versículo 3) e isso já era motivo para os irmãos de José sentirem raiva dele. Logo em seguida, dos versículos 5 a 8, José relata um sonho a seus irmãos que em resumo dizia que ele reinaria sobre eles, o que causou ainda mais fúria em seus consanguíneos. Deus já revelava que preparava algo superior para José, algo que nem ele e nem seu pai poderiam imaginar.

Mas a questão é: Estaria José pronto para ser governador logo após ter este sonho? A resposta simples é não!

José ainda precisava ser preparado para o destino que Deus havia determinado antes de seu nascimento, e por isso, ele precisaria passar por situações e aprendizados que iriam além do sonho e das lições que ele já aprendera enquanto ainda morava com seu pai. Afinal, Deus não trabalha com atalhos.

O processo de crescimento de um escolhido por Deus deve ser respeitado. Por mais doloroso ou demorado que pareça ser, Deus nos fortifica neste processo, para que, quando estivermos prontos nos lembremos dos ensinamentos e como foi importante esse estágio em nossas vidas para que a vontade de Deus se cumprisse.

Para o propósito de Deus, José ainda não estava preparado para liderar uma nação como o Egito, ele precisava evoluir tanto como ser humano como em conhecimento e sabedoria. E todo esse aprendizado na vida de José começa no fundo do poço (Gênesis 37: 24).

Para se livrarem de vez de José, seus irmãos o venderam à mercadores ismaelitas que por sua vez o venderam a Potifar no Egito. José conheceu de perto o que era ser tratado como mercadoria e como era ser escravo. Nesse ponto, José certamente entendia que até o ser humano que é vendido e tratado como mercadoria acima de tudo, ainda é um ser humano.

Como escravo, é certo que José fez diversos tipos de trabalho, mas o fez com excelência. Podemos afirmar isso usando como referência Gênesis 39:2 onde mostra que Deus estava com José o fazendo prosperar naquilo que fazia. Esteja certo que ninguém que faz algo com desdenho e “relaxo” será abençoado por Deus. Potifar, seu senhor, observando José, logo o encarregou de administrar todos os seus bens. E mais uma vez Deus ensinava que o um líder deve valorizar seus liderados.

Seguindo o relato de Gênesis 39, no versículo 7, a esposa de Potifar começa a cobiçar José (que era de boa aparência), e o convida a se deitar com ela. José mais uma vez mostra sua fé e seu conhecimento de que aquilo era pecado contra seu Deus, então a evitou e se distanciou. Mais a frente, dos versículos 8 a 20 mostra que José, por negar se deitar com a esposa de Potifar, foi injustiçado pela mesma, sendo acusado de tentar abusar dela e foi lançado na prisão do rei por ordem de Potifar. Em mais uma lição, podemos aprender que na vida o respeito não significa necessariamente confiança total. Mas ali, José aprendia a ser cada vez mais fiel ao seu Senhor e crescia em Deus em tudo que fazia.

Veja Também  Crítica| Deus Não Está Morto 2 - Qual o seu Lado?
DA PRISÃO AO GOVERNO

Enquanto prisioneiro, Deus concede a José a simpatia do carcereiro que se agrada de José e o coloca em posição de responsável por tudo dentro da prisão. E de igual forma a Potifar, o carcereiro não se preocupava com nada que estava sob responsabilidade de José. Deus lhe concedia bom êxito em tudo que realizava. E novamente Deus nos ensina que até mesmo os locais que aparentemente são indignos, devem ser tratados com respeito e carinho, de igual forma trataríamos nosso lar. Mais tarde, em um futuro próximo, José governaria uma terra que não era dele. Ele não era egípcio, mas cuidaria daquele lugar como se fosse sua terra natal.

Em Gênesis 40 somos apresentados a dois novos personagens na vida de José: o padeiro e o copeiro. Ambos haviam feito ofensa ao rei e por isso foram lançados na prisão, no qual José cuidava deles. Na prisão, ambos os prisioneiros tiveram sonhos que foram interpretados por José, no qual um deles seria honrado novamente pelo rei e o outro seria morto. Em mais uma lição, podemos observar que a verdade não pode possuir meio termo. Ou é, ou não é. Ser líder, governador ou até cristão, precisa ser preenchido de verdade, para que assim, e somente assim, a honra, glória e vontade de Deus sejam exaltadas.

Em Gênesis 41:41, José é coroado como autoridade suprema do Egito, abaixo apenas do rei, em termos de trono. Nesse momento, José já possuía 30 anos.

Deus não poupou José da trajetória dele, mas o ajudou e o guardou em todo o tempo. Esse caminho, as situações aparentemente desfavoráveis, despertaram em José aprendizados que não iriam ser esquecidos com o tempo. Deus não trabalha com atalhos, pois Ele nos quer preparados. Ele quer que aprendemos na prática o que Ele precisa que seja aprendido.

Mas por quê devemos sofrer nessa trajetória? Pelo simples fato de que nunca se trata de nós. Cada situação que passamos em nossa jornada nos leva mais perto do propósito do Senhor.

Sempre é para a glória de Deus. Ele é o foco!

A história de José envolvia muito mais do que uma ambição pelo sonho de José. José foi usado para salvar milhares de vidas da escassez que viria no futuro, foi usado para revelar a grandeza de Deus perante o faraó, que era a maior autoridade do mundo em sua época e o mesmo reconhece o Deus de José como verdadeiro.

No fim, percebemos que lá atrás o sonho de José não era propriamente de José, mas era o sonho de Deus.

O Senhor sonha por nós e os sonhos de Deus nunca irão envolver atalhos. Ele quer uma jornada completa para que o nome dEle seja glorificado, para que vidas sejam mudadas através do nosso testemunho vivo, e assim, para que em cada situação, nos lembremos que Ele está conosco.

Um jornada completa com Deus vale muito mais do que um atalho sem ele.

 

Já conhece o podcast Coisas de Cristão?

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: